Juiz de Fora é uma cidade marcada pelo pioneirismo.

Suas origens estão ligadas ao povoamento surgido às margens do "Caminho Novo", aberto por Garcia Dias Paes, unindo a capital, Rio de Janeiro, a Vila Rica, ainda no século XVIII.

Em 1836, Henrique Guilherme Fernando Halfeld, velho engenheiro, alemão de nascimento, que já enfrentara os exércitos de Napoleão Bonaparte, na Batalha de Waterloo, recebeu do Império do Brasil, o encargo de abrir uma variante do "Caminho Novo", partindo do arraial de Santo Antônio do Paraibuna de Juiz de Fora. A ele é atribuída a fundação da cidade.

Naquele fim do século, Juiz de Fora foi a cidade brasileira que mais se desenvolveu, e utilizava energia produzida na primeira Usina Hidrelétrica da América Latina.

Em 1888, a cidade estava ligada ao Rio de Janeiro por rodovia pavimentada e pela Estrada de Ferro Central do Brasil.

Juiz de Fora foi, apropriadamente, cognominada "Manchester Mineira" e seu hino bem diz: "Salve a princesa de Minas!"

A poucas horas de alguns dos mais importantes pontos turísticos do sudeste brasileiro, Juiz de Fora está incluída nos roteiros da região, como São João Del Rey e Ouro Preto. Situada no centro do eixo que vai de Angra dos Reis a Ouro Preto, a cidade está também muito próxima do "Circuito da Águas". Juiz de Fora fica a menos de duas horas do Rio de Janeiro, principal porta de entrada de turistas no Brasil.

A Fábrica Bernardo Mascarenhas, também do século passado, é um desses pontos que fizeram Juiz de Fora ser chamada de Manchester Mineira. Hoje, restaurada, ela é um espaço cultural importante na cidade, para exposições, exibições de vídeos, teatro e oficinas de arte.

A memória da cidade e região está no Museu Mariano Procópio, que é um dos três principais do País, pelo volume e significado do seu acervo, sendo o único de características européias de toda Minas Gerais. O Museu é também uma área de lazer que encanta pela beleza de seu parque.

A cidade tem também o Centro de Estudos Murilo Mendes, uma homenagem ao poeta juizforano. O acervo de artes plásticas do poeta, que inclui obras de Picasso, Portinari e Max Ernst, entre outros grandes nomes da pintura contemporânea, foi transferido de Portugal para o Centro, e inaugurado em 1996.

O ecoturismo e o turismo de aventura encontram espaço em vários pontos na região de Juiz de Fora. Cavalgadas, motocross, mountain bike e passeios de jipes são alguns dos esportes praticados na cidade, tendo a aventura e a natureza como peças essenciais.

A noite em Juiz de Fora é feita de muito bares, boates e discotecas onde os jovens são presença marcante. A tradição de boemia da cidade se mantém em cada um desses locais, sempre muito movimentados. A vida cultural é intensa. A cidade tem cinemas e teatros que apresentam grandes espetáculos em cartaz nos grandes centros, e é palco, inclusive, de estréias nacionais.

O Cine Teatro Central merece grande destaque e está entre as mais importantes casas de espetáculos do Estado de Minas Gerais. Admirado pelos artistas que já passaram pelo local, o teatro deve ser adquirido pela Universidade e administrado em convênio com a Prefeitura.

A instalação da Mercedes Benz do Brasil na cidade foi o prenúncio de uma nova alvorada de desenvolvimento neste final de milênio.

Além de todos esses atrativos, Juiz de Fora conta com um comércio sofisticado e completo. Toda a infra-estrutura já está pronta para receber turistas e empresários. Agora, a Prefeitura prepara novos projetos, que visam fazer do turismo um produto de primeira linha. Investir nessa área é decisão fundamental para a retomada do desenvolvimento da região.




Tudo começou no início da década de 80, com os ideais de um exímio cedablista, nosso querido amigo Júlio ( PY 4 AG ), que sempre cordial, ensinava aos interessados
as primeiras letras do Código Morse.

Seus alunos foram aumentando e o CW passou a ser praticado por vários Radioamadores de Juiz de Fora.

Porém, um se destacava pela facilidade com que aprendeu em poucas aulas, a recepção e transmissão do CW. Era seu companheiro de trabalho, nosso estimado amigo Paulo ( PY 4 EM ).

Seus bate-papos diários no trabalho fizeram despertar o interesse de se criar um Grupo de CW na cidade, inicialmente só com Radioamadores locais.

Enquanto se consolidava a idéia, outros 2 Radioamadores também se juntaram e contribuiram para levar adiante a criação do clube. A saber: Guimarães ( PY 4 CY ) e Alvaro ( PY 4 RU ), este já falecido.

Para não perder tempo, o Paulo já esboçava os primeiros rascunhos do atual Diploma Básico do CWJF, e deixava pronto seu regulamento.

Enfim, acertados os primeiros passos, foi-se marcada uma reunião para a manhã do dia 31 de Maio de 1985, um Feriado Municipal (comemoração do Aniversário da Cidade).

No final da tarde deste mesmo dia, surgia o CWJF - Grupo Juizforano de CW, tendo em sua 1ª Diretoria como Presidente, o Radioamador Júlio ( PY 4 AG ), e um total de 17 membros pertencentes ao quadro de operadores.

Infelizmente, no final da década de 80, o CWJF ficou com suas atividades paralizadas, só vindo a reativar-se em fevereiro / 93, sob o comando do Edson (PY 4 WAS), que retornava a Juiz de Fora.

Naquele mesmo ano, idealizou-se o concurso "Manchester Mineira", e em Maio de 1993, realizamos nosso primeiro concurso para todo o Brasil. Os excelentes resultados obtidos, nos deram forças para continuarmos em frente.

Procedemos diversas alterações em relação ao Estatuto inicial, sendo a principal, a possibilidade de Radioamadores de outras Cidades, Estados e Países, fazerem parte do Grupo.

Somos o 1º Grupo de CW do Brasil, que conseguiu em um concurso nacional de CW, ter a participação de pelo menos um Radioamador de cada Estado do Brasil, fato ocorrido em 94 e repetido em 95.

Durante 10 anos consecutivos (1993 até 2003) superamos nossos próprios recordes de participantes, fato este que não foi alcançado até hoje por nenhum concurso brasilerio ou internacional, na modalidade de CW .

Em 1997, depois de recebermos diversas cartas de Radioamadores da América do Sul, ampliamos nosso Concurso para todo o continente Sulamericano, obtendo também em seu primeiro ano, índices excepcionais de participação.

Atualmente mais de 200 Radioamadores são MEMBROS do CWJF, o que muito nos honra.

Nosso objetivo inicial, era consolidar o Concurso "Manchester Mineira" no Brasil e posteriormente em toda a América do Sul. Ao chegarmos em 2006, quando o Grupo completou 21 anos de fundação, resolvemos aceitar novamente o desafio de amplia-ló, agora para as 3 Américas( América do Sul, América Central/Caribe, América do Norte).

Em 2011, o Concurso "Manchester Mineira All America CW Contest" foi ampliado para os 5 continentes, tornando-se mundial, com o novo nome de CQ Manchester Mineira DX Contest.

O Concurso passara a ser realizado no terceiro final de semana completo no mês de abril..

73's

"O SUCESSO DO CWJF
NÃO É NOSSO, É DE TODOS NÓS."